SINTESE e FETAM/CUT cobram regularidade das Prefeituras no pagamento de salários


- 24 de novembro de 2015 | - 5:03 - - Home »

Escrito por: Iracema Corso

sintese

Professores e servidores públicos municipais somam forças na construção de um ato público para cobrar providências do Tribunal de Contas de Sergipe e do Ministério Público Estadual sobre retenção de salários e atraso do pagamento dos trabalhadores – o que se tornou uma constante em vários municípios do Estado de Sergipe. A concentração está prevista para as 7h da manhã desta quinta-feira, 26/11, em frente ao TCE. A atividade política deve reunir lideranças sindicais e professores engajados junto ao Sindicato dos Trabalhadores da Educação Básica da Rede Oficial do Estado de Sergipe (SINTESE) , assim como trabalhadores filiados à Federação dos Trabalhadores na Administração e do Serviço Público Municipal de Sergipe (FETAM/CUT).

Presidente do SINDISERVE GLÓRIA e da FETAM, Itanamara Guedes aposta no fortalecimento da luta através da união das entidades sindicais rumo à vitória da mobilização. “Hoje os trabalhadores dos municípios têm sido os mais penalizados pela má gestão pública. No ano passado realizamos um grande ato junto ao SINTESE porque as Prefeituras de Umbauba, Propriá e Porto da Folha não pagaram os trabalhadores. Neste ano, uma quantidade maior de servidores públicos teve seu salário atrasado e ou parcelado. Isso é inadmissível, inaceitável. Pretendemos reforçar a cobrança pelo cumprimento da Lei de Acesso a Informações. A falta de transparência em relação à folha de pagamento e gastos da Prefeitura é um problema que abrange a maioria dos municípios”.

 

A dirigente sindical, que também é secretária de Políticas Sociais da Central Única dos Trabalhadores, adiantou que SINTESE e FETAM vão entregar um documento ao TCE e MPE apontando irregularidades na prestação de contas de várias Prefeituras, apontando para informações que são sonegadas e vai solicitar o bloqueio das contas das Prefeituras que não efetuarem o pagamento do salário dos trabalhadores referente ao mês de dezembro, assim como o 13º.

 

PROFESSORES – Conforme reportagem publicada no site do SINTESE: “Atualmente 24 municípios tiveram algum atraso no pagamento dos salários de outubro. Ainda há professores de 16 municípios que não tiveram o reajuste do piso de 2015, sendo que anda há quem ainda tenha como vencimento inicial o valor do piso de 2010 (R$1.024), como é o caso de São Cristóvão.

As administrações também tem descumprido a legislação com relação a outros direitos trabalhistas. Trinta municípios devem aos professores a gratificação de férias. Carira e Aquidabã vivem as situações mais dramáticas. No município da região agreste os educadores têm gratificações de férias atrasadas dos anos de 1999 e entre os anos de 2002 a 2015. Em Aquidabã desde 2012 que o magistério não recebe a gratificação de férias”.

O sindicato fez uma análise dos relatórios financeiros e prestações de contas, chegando a conclusão de que não houve queda de receitas e, portanto, a decisão de muitas prefeitura de não reajustar o Piso não tem nada a ver com crise, pois não há crise nos recursos da educação.

Por: Mateus Santos
Atualmente na redação do Portal Mais Sertão de Nossa Senhora da Glória. Natural de Itabaiana, apaixonado por tecnologia, mídias e redes sociais.
Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!