Fugitivo do Presídio de Glória envolvido em atentado contra desembargador é recapturado


- 29 de outubro de 2015 | - 7:00 - - Home »

A Polícia Civil de Sergipe confirmou que Alessandro Souza Cavalcante, o Billy, que estava foragido desde o dia 21 de agosto, após escapar do Presídio Regional, Senador Leite Neto, no município de Nossa Senhora da Glória, região do Sertão de Sergipe foi preso. Segundo a polícia, está sendo feita uma triagem através de dados biométricos, com ele e mais suspeitos para a formalização para o seu retorno ao presídio, que deve acontecer nos próximos dias. Além de Billy, Uarleis Santos também é foragido do presídio e também foi preso na mesma ação.

fugitivos_presidio_gloria_14_maissertao

A fuga
Segundo a polícia, vinte presos, sendo que alguns contaram uma mentira ao gritar que um  detento estava passando mal, por estar doente, renderam os agentes com barras de ferro e em seguida fizeram disparos com armas de fogo e fugiram pela porta da frente do presídio. Ainda de acordo com a polícia, três agentes foram feridos, entre eles, o irmão do prefeito de Nossa Senhora da Gloria, Francisco Nogueira Nascimento.

A polícia disse também, que na fuga os homens roubaram um veículo e uma ambulância de um hospital que fica a 200 metros do presídio, mas capotou e os ocupantes conseguiram fugir. O veículo foi abandonado próximo a um canavial.

Atentado

O atentado aconteceu em 18 de agosto de 2010, quando o carro oficial passava na Avenida Beira Mar, do Bairro 13 de Julho, na Zona Sul de Aracaju e foi alvejado por vários disparos. O magistrado saiu ileso, mas o motorista dele, o policial militar Jailton Pereira foi baleado na cabeça e tem sequelas graves até hoje.
Investigações da polícia apontaram Floro Calheiros como mandante do atentado. Mas ele morreu em uma troca de tiros com a polícia na divisa dos estados da Bahia e Tocantins em 2011.

Três meses depois do atentado, ainda em 2010, a Polícia Civil conseguiu prender dois suspeitos, Alessandro Cavalcante e Clodoaldo Bezerra.

Condenação
Alessandro de Souza Cavalcante foi condenado com uma pena de 50 anos e oito meses de prisão. Já Clodoaldo Bezerra recebeu 46 anos, 11 meses e 29 dias.
Os homens  foram condenados por sete crimes cada, sendo formação de quadrilha armada, porte ilegal de arma de uso restrito, incêndio, adulteração de sinal identificador de veículo automotor e receptação.

Por: Daniel Rezende
Estudante de Comunicação Social - Jornalismo; Habilitado como Jornalista com DRT/SE 2.049; Sócio e Repórter do Mais Sertão; Apresentador e Repórter da Xodó FM.
Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!