Academia Gloriense de Letras encerra com sucesso ciclo de oficinas e minicursos


- 7 de dezembro de 2015 | - 3:00 - - Home »

No último sábado, 05 de dezembro, aconteceu no colégio Manoel Messias Feitosa, em Nossa Senhora da Glória, mais uma oficina de criação literária promovida pela Academia Gloriense de Letras (AGL), em parceria com a Academia Literária do Amplo Sertão (ALAS). Dessa vez, o foco foi a Literatura de Cordel.

academia_gloriense_letras_cursos_01_maissertao (2)

Atendendo gentilmente ao convite da AGL, o Prof. Dr. Alberto Roiphe, da Universidade Federal de Sergipe (UFS), ministrou, brilhantemente, a oficina “Literatura de Cordel: Leitura e Escrita”. Na ocasião, professores e estudantes interessados nessa forma poética foram levados a caracterizar e analisar o folheto de cordel como um gênero verbovisual e a criar personagens e elaborar estruturas poéticas semelhantes àquelas encontradas nos folhetos de desafio.

Alberto Roiphe é Doutor em Educação pela USP e realizou estágio de pós-doutoramento na PUC do Rio de Janeiro sobre “O disse me disse na literatura de cordel”. É também autor do livro de crítica literária “Forrobodó na linguagem do sertão: leitura verbovisual de folhetos de cordel” e co-organizador das obras “Processos de Criação na Educação e nas Artes” e “Gêneros Textuais nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental”.

Esse ciclo de oficinas e minicursos, que encerrou – com sucesso – as atividades sociais da AGL em 2015, foi fruto de uma proposta idealizada pelo acadêmico Carlos Alexandre (AGL/ALAS) à qual se somaram, com entusiasmo, a poeta e cronista Christina Ramalho (UFS), o acadêmico Lucas Lamonier (AGL/ALAS) e o acadêmico Jorge Henrique (AGL).

Como resultado desse projeto, foram promovidas oficinas de criação, com foco em gêneros literários diversos, além de um minicurso sobre a relação entre as artes plásticas e a literatura.

A primeira dessas oficinas aconteceu em julho de 2015 e tinha como foco o estudo das formas poéticas. Para isso, a AGL trouxe a Sergipe o professor e poeta Frederico Barbosa, diretor da Casa das Rosas (SP). Ele, que é um estudioso da poesia contemporânea e especialista na obra do poeta concretista Haroldo de Campos, ministrou a oficina de criação poética “Som e imagem da poesia: Como impactar com palavras”. No início de agosto, complementando a proposta de estudo lírico, a poeta e cronista Christina Ramalho ministrou o minicurso “A História da Arte em Diálogo com a Poesia”. Ainda em agosto, Christina Ramalho voltou a Nossa Senhora da Glória para ministrar a oficina de criação “A Arte da Crônica: A Crônica como Arte”. Mediou também, na mesma ocasião, a Mesa Redonda “Música e Poesia” e realizou o lançamento de dois livros: “A poesia da canção: estudos de letras da MPB” e o livro GENTE (crônicas). Este último reúne autores de várias partes do Brasil e conta com a participação de dois jovens cronistas glorienses, Carmem Almeida e João Paulo Santos. Finalmente, em dezembro, encerrou-se o ciclo de oficinas com o estudo da Literatura de Cordel.

Como se vê, intensificaram-se as atividades culturais no sertão e a AGL, que comemora neste dia 12 de dezembro seu terceiro aniversário, vem demonstrando que, mesmo tendo sido tão curta sua trajetória até 2015, já legou frutos significativos de sua ação para o desenvolvimento cultural da região. Embora ainda haja muito mais a ser feito, o compromisso da Academia Gloriense de Letras é o de se tornar, cada vez mais, uma importante mediadora das letras e da cultura de Nossa Senhora da Glória.

Assessoria de Comunicação da AGL

Por: Daniel Rezende
Estudante de Comunicação Social - Jornalismo; Habilitado como Jornalista com DRT/SE 2.049; Sócio e Repórter do Mais Sertão; Apresentador e Repórter da Xodó FM.
Enium Soluções Digitais

Deixe seu comentário!